Skip to content

Archive for julho, 2012

31
jul

Paraná se recupera e vai colher mais de 31 milhões de toneladas de grãos

A severa estiagem que atingiu o Paraná nos últimos meses causou muitas perdas, mas uma boa notícia volta a animar os produtores. O Estado recuperou essas perdas e deve colher de 31,5 a 31,8 milhões de toneladas de grãos, uma pequena queda de 0,75% em relação à safra de 2010/11.

Entre a produção, serão colhidas três safras de grãos cultivadas no Estado  durante as estações do verão, outono e inverno. O bom desempenho da segunda colheita, com preços praticados ao produtor, compensou as perdas de 21% na produção da safra do verão de 2011/12.

Matéria completa da Agência de Notícias do Paraná

Paraná recupera perdas da seca e deve colher 31,5 milhões de toneladas de grãos

O Paraná recuperou perdas de produção provocadas pela severa estiagem ocorrida entre o fim do ano passado e início deste ano e se prepara para colher, na safra 2011/12, de 31,5 a 31,8 milhões de toneladas de grãos.

O volume corresponde a uma ligeira queda, de 0,75%, em relação à safra anterior (2010/11). O resultado abrange as três safras de grãos cultivadas no Estado, entre a produção de verão, outono e inverno, e consta no relatório de julho, divulgado nesta segunda-feira (30) pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e Abastecimento.

De acordo com o diretor do Deral, Francisco Simioni, a partir da segunda safra houve recuperação na produção e nos preços praticados ao produtor. O bom desempenho da segunda safra compensou as perdas de 21% na produção de grãos de verão da safra 11/12, prejudicada pela seca principalmente nas regiões Oeste e Sudoeste do Paraná.

MILHO

A segunda safra de milho compensou a quebra na produção com a colheita de 10,5 milhões de toneladas, volume 65% superior ao ano anterior. O aumento na segunda safra de milho ocorreu em função do crescimento de 20% na área plantada neste ano, que passou de 1,7 para 2 milhões de hectares. Geadas ocorridas na safra 2010/11 também provocaram queda na produção daquele ano.

“Os produtores terão ganho-extra com o aquecimento nas cotações do grão por causa da quebra da safra de milho nos Estados Unidos”, ressaltou Simioni. Os preços pagos ao produtor estão em torno de R$ 25,00 a saca, na média, cerca de 6% acima das cotações praticadas na safra anterior, que já estavam elevadas, em torno de R$ 24,00 a saca.

“Precisamos lembrar que na safra 2010/11 houve quebra de produção e a escassez do grão no mercado, o que justifica o aumento nos preços. Mas este ano estamos colhendo uma supersafra de milho o que não justificaria os preços recordes praticados no mercado de milho atualmente, não fosse a quebra da safra norte-americana”, explicou.

Técnicos do Deral observam que apesar das boas condições de produção e de comercialização, o produtor pode ter elevação nos custos de produção de milho com a aplicação de fungicidas para eliminar doenças.

“De maneira geral o Paraná colherá boa safra de milho e as lavouras estão praticamente ‘salvas’ do risco de geadas mais forte, mas os produtores estão enfrentando adversidades desde junho, devido ao excesso de chuvas, que provocou incidência de doenças fúngicas como a Giberela, Diplodia e Antracnose”, comentou a engenheira agrônoma do Deral, Margorete Demarchi.

SOJA

Os produtores de soja também estão satisfeitos com o desempenho da cultura e com a sinalização do mercado externo, que aponta a manutenção de preços sustentáveis para a próxima safra. “A tendência é de crescimento na área plantada no Estado”, disse Simioni. A safra 2011/12 também foi prejudicada pela estiagem que castigou o Estado desde o fim do ano passado até meados de fevereiro deste ano, quando houve quebra de 23,7% na produção do grão.

Mas esse prejuízo foi compensado por um revés no mercado de grãos internacional, que está beneficiando os produtores brasileiros. Os Estados Unidos estão enfrentando a maior seca desde 1956, que provocou a quebra de 14 milhões de toneladas de soja da safra de grãos 2012/13 naquele País. A demanda pela commodity continua em alta, principalmente por parte da China. “Em função desses fatores, a saca de soja se valorizou em 75% e o preço pago ao produtor atingiu R$ 70,26 a saca, em média”, explicou o coordenador da área de Conjuntura Agropecuária do Deral, Marcelo Garrido.

FEIJÃO

Por outro lado, produtos como feijão e trigo apresentam queda na produção na safra 2011/12. As três safras de feijão cultivadas no Paraná devem totalizar 668,9 mil toneladas, 21% a menos que no ano anterior. Os produtores estavam desestimulados com os preços do feijão no mercado, principalmente na primeira safra, que teve queda de 36% na produção (de 533.603 toneladas na safra 2010/11 para 341.602 toneladas).

Em contrapartida, em função da reação nos preços do feijão no mercado, os produtores paranaenses aumentaram a área cultivada com feijão da segunda safra em 31%, passando de 170.992 para 224.041 hectares, que proporcionaram produção de 293.326 toneladas. “Nessa safra, os preços reagiram, mas a qualidade do produto caiu, por causa das chuvas na colheita”, explicou o engenheiro agrônomo Carlos Alberto Salvador, do Deral.

TRIGO

No relatório, o Deral confirmou a área plantada com trigo no Paraná, com 764,8 mil hectares, uma das menores dos últimos 10 anos. Isso significa que a produção de trigo no Paraná, que era líder no ranking nacional até dois anos atrás, recuou para patamar semelhante à área plantada em 2002, quando a cultura ocupou 900 mil hectares no Estado. Simioni explicou que naquele ano houve grande desestímulo dos produtores com a produção de trigo por causa do acordo dos blocos do Mercosul, que privilegiava a compra da produção argentina.

Este ano, o Paraná deverá colher pouco mais de 2 milhões de toneladas de trigo, queda de 10% em relação à produção anterior, que já vinha refletindo o desestímulo dos produtores. A preocupação da Secretaria da Agricultura e Abastecimento (Seab) é que essa queda drástica prejudique os produtores daqui para frente. Isso porque a prática do plantio de apenas duas culturas (milho e soja) de forma sucessiva poderá, a curto e médio prazo, alterar o sistema de rotação de culturas que o Paraná tradicionalmente vinha realizando.

FERTILIDADE

De acordo com o diretor do Deral, a Secretaria vem sendo alertada pelos seus órgãos de pesquisa e de assistência técnica com a possibilidade de prejuízos na fertilidade do solo e o aumento da incidência de doenças nas lavouras por causa da falta de rotação de culturas.

Esse e outros assuntos relacionados aos fatores políticos e comerciais que interferem na cultura do trigo são debatidos durante a VI Reunião da Comissão Nacional de Trigo, que acontece em Londrina, a partir desta segunda (30) até quinta-feira (2), na Sociedade Rural do Paraná.

30
jul

Paraná dá início ao enfrentamento contra o crack

A discussão sobre o crack e como acabar com esse mal no país tem aumentado. E, Alceni Guerra, médico e pesquisador a respeito desse assunto, está acompanhando os avanços na área de enfrentamento do crack, como o início de um programa no Paraná.

Na última sexta, dia 27, o Governo do Paraná e o município de Curitiba assinaram o termo de adesão ao programa do Governo Federal Crack, é Possível Vencer. O termo, assinado em Brasília, prevê mais de R$ 170 milhões para investimentos que serão destinados para a criação de leitos psiquiátricos, construção de novos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas 24 horas, além de unidades para acolher o público adulto e infantil e consultórios de rua.

De acordo com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que assinou o termo de adesão do Estado ao plano federal, Curitiba deve receber R$ 100 milhões.

Matéria completa da Agência de Notícias do Paraná

Adesão a plano federal assegura R$ 170 milhões para enfrentamento do crack

O Governo do Paraná e o município de Curitiba assinaram nesta sexta-feira (27/07), em Brasília, o termo de adesão ao programa do governo federal Crack, é Possível Vencer. No plano apresentado pelo Estado estão previstos investimentos de aproximadamente R$170 milhões.

Os recursos vão possibilitar a criação de leitos psiquiátricos em hospitais gerais, construção de novos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas 24 horas; novas unidades de acolhimento destinadas ao público adulto e infantil e consultórios de rua.

“Com a assinatura, são fortalecidas ações para aumentar a oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários drogas, para enfrentar o tráfico e as organizações criminosas e ampliar atividades de prevenção”, disse o vice-governador Flávio Arns, que representou o governador Beto Richa na solenidade. “O combate às drogas é uma prioridade do nosso governo”.

Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que assinou o termo de adesão do Estado ao plano federal, o município de Curitiba irá receber R$ 100 milhões. Com os novos recursos a administração municipal quer potencializar as ações já realizadas, reforçando a integração das diversas iniciativas nas áreas de saúde, segurança e ação social.

O governo estadual vai implantar quatro Centros de Tratamento de Álcool e Drogas do Paraná (Cetrads) até 2014. O primeiro deverá ser instalado em Cascavel e atenderá jovens que tenham entre 12 e 25 anos, especialmente usuários de crack. Os outros ficarão em Curitiba, Londrina e Maringá.

HISTÓRIA

Atualmente o Paraná conta com 95 Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas. A criação dos centros faz parte da reforma psiquiátrica de 2001, que priorizou o atendimento ambulatorial para evitar a institucionalização dos pacientes, que em muitos casos acabavam isolados da sociedade.

27
jul

Região Metropolitana de Curitiba ganha serviços do Samu

A dedicação a área da saúde tem que ser grande, e o governo do Paraná tem feito isso. Dessa vez, o investimento é no Serviço de Atendimento Medico de Urgência (Samu) que passará a atender mais 14 municípios da Região Metropolitana de Curitiba. Até o final de agosto as cidades de São José dos Pinhais, Tijucas do Sul, Agudos do Sul, Fazenda Rio Grande, Mandirituba, Rio Negro, Campo do Tenente, Piên, Quitandinha, Araucária, Contenda, Campo Largo, Campo Magro e Bocaiúva do Sul terá as unidades móveis e mais de 2,5 milhões de pessoas serão beneficiadas com o investimento.

O serviço pelo telefone 192 já está disponível e a Central de Regulação em Curitiba, vai gerenciar os atendimentos. Todos os procedimentos e orientações antes da chegada da equipe médica serão passadas por telefone e até o deslocamento de uma das unidades de transporte ao local da ocorrência, seja terrestre (ambulâncias) ou aéreo (helicópteros).

Matéria completa da Agência de Notícias do Paraná

Samu será ampliado para a Região Metropolitana de Curitiba

Catorze municípios da Região Metropolitana de Curitiba passarão a contar com o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), que já opera na capital. Até o fim de agosto, o serviço será estendido para São José dos Pinhais, Tijucas do Sul, Agudos do Sul, Fazenda Rio Grande, Mandirituba, Rio Negro, Campo do Tenente, Piên, Quitandinha, Araucária, Contenda, Campo Largo, Campo Magro e Bocaiúva do Sul. Cerca de 2,5 milhões de pessoas serão beneficiadas nesta primeira fase do Samu Metropolitano.

“A medida faz parte da estratégia do Governo do Estado para qualificar a rede de urgência e emergência da Região Metropolitana de Curitiba e desafogar os serviços de saúde da capital”, explicou o diretor da 2.ª Regional de Saúde, José Carlos Abreu.

Até o final do ano, mais 84 leitos de UTI estarão disponíveis para o Sistema Único de Saúde na região. A estrutura servirá de retaguarda hospitalar para os atendimentos do Samu – que atende casos de urgência clínica – e do Siate (Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência), acionado em casos de emergência com trauma, como acidentes. Também será referência para a Rede Mãe Paranaense.

A Central de Regulação em Curitiba, na qual o serviço já está disponível pelo telefone 192, será responsável por gerenciar os atendimentos. “O Samu regional não tem fronteiras. Se a ambulância de um município já estiver em um atendimento e surgir outra urgência no mesmo local, uma unidade de outro município poderá ser deslocada para lá”, explicou o diretor de Políticas de Urgência da Secretaria, Vinicius Filipak.

QUALIFICAÇÃO

Os veículos foram entregues aos municípios em 2010, pelo governo federal, mas não havia estrutura para realizar o atendimento. A Secretaria de Estado da Saúde treina equipes que atuarão nas bases descentralizadas da primeira fase de implantação. Gestores municipais, enfermeiros, médicos, motoristas de ambulância, telefonistas e outros técnicos participaram do curso de regulação médica promovido pela diretoria de Políticas de Urgência.

O curso apresentou toda a estratégia do Samu regional e detalhou a função de cada profissional durante a rotina de trabalho. Após a estabilização do paciente, a equipe deve descrever a situação da ocorrência à Central de Regulação do Samu. Essas informações dão subsídios para que o paciente seja encaminhado ao serviço de saúde mais adequado à situação. “Fatores como tempo de deslocamento, estrutura do hospital e necessidade médica do paciente influenciam na decisão do médico regulador”, explicou a médica da Sesa, Beatriz Monteiro de Oliveira.

Todo o sistema será gerenciado pela Central de Regulação que já funciona em Curitiba. A Central é responsável por atender as ligações do telefone 192, orientar o solicitante sobre os procedimentos que devem ser adotados antes da chegada da equipe médica e deslocar uma unidade de transporte ao local da ocorrência, seja ele terrestre (ambulâncias) ou aéreo (helicópteros).

26
jul

Sistema online vai ajudar o agendamento de consultas no Paraná

Uma ferramenta que permitirá melhorar o gerenciamento de leitos, exames e consultas na rede pública do Paraná foi lançada nesta terça, dia 24, pela Secretaria de Estado de Saúde. O Sistema Estadual de Regulação “Saúde para todo Paraná” teve um investimento de R$ 30 milhões para aquisição e implantação e vai ajudar no agendamento de consultas, exames e ofertas de leitos hospitalares, tudo feito pela internet.

Nesta primeira fase de implantação, o Sistema estará disponível para apenas 45 municípios das regiões de Paranguá, Metropolitana de Curitiba e Uninão da Vitória. O governo estima que até abril de 2013 todo o Estado estará interligado por essa ferramenta.

Matéria completa da Agência de Notícias do Paraná

Governo lança sistema de regulação para leitos, exames e consultas

A Secretaria de Estado da Saúde lançou nesta terça-feira (24) o Sistema Estadual de Regulação “Saúde para todo Paraná” – ferramenta que permitirá um melhor gerenciamento de leitos, exames e consultas especializadas na rede pública de saúde do Estado. O governo está investindo cerca de R$ 30 milhões na aquisição e implantação do sistema, que foi adaptado às necessidades do Paraná e é único no Brasil.

O sistema permitirá o agendamento pela internet de consultas especializadas eletivas, exames e a oferta de leitos hospitalares, inclusive de UTI. Também será possível a emissão de Autorizações de Internação Hospitalar (AIH) e procedimentos de alta complexidade, o controle físico e financeiro dos procedimentos autorizados e a emissão de relatórios sobre as necessidades dos usuários.

Nesse primeiro momento, a ferramenta estará disponível para os 45 municípios das regiões de Paranaguá, Região Metropolitana de Curitiba e União da Vitória (cerca de um terço da população do Estado) e oito hospitais. A partir de setembro deste ano será implantada nas demais regiões de saúde do estado. A estimativa é que até abril do ano que vem todos os municípios estejam interligados.

Com relatórios gerados pelo sistema será possível visualizar a demanda reprimida por serviços especializados nas regiões e direcionar melhor os investimentos. “Muitos estados já avançaram na informatização das AIHs (Autorização de Internação Hospitalar) do SUS, outros criaram sistemas para a informatização de consultas, mas nenhum desses sistemas engloba todos esses quesitos. O nosso sistema foi desenvolvido para atender as nossas necessidades, do começo ao fim do atendimento”, disse o secretário da Saúde, Michele Caputo Neto.

De acordo com o secretário, uma das ferramentas do sistema de regulação é o controle financeiro. “Ao agendar uma consulta o usuário do SUS receberá um protocolo com data, hora e local da consulta. Se o usuário não puder comparecer, a consulta não poderá ser paga, pois o sistema não aceitará a cobrança. Hoje, confiamos apenas na boa fé do prestador”, explicou Caputo Neto.

LEITOS

A superintendente de Atenção à Saúde, Márcia Huçulak, afirmou que o sistema não resolve o déficit de leitos do estado, mas permite uma melhor utilização dos leitos existentes. “É possível visualizar no computador quais leitos estão disponíveis e para onde poderemos encaminhar um paciente vítima de um acidente de trânsito, por exemplo, para receber o atendimento qualificado”, disse.

A implantação da ferramenta foi precedida de treinamentos para as equipes dos municípios e para as equipes dos hospitais que irão operar o sistema.

Em abril deste ano, a Secretaria da Saúde e a Celepar (Companhia de Informática do Estado) receberam os códigos-fonte do sistema de regulação, o que oficializa o Estado como proprietário intelectual da ferramenta. “Não compramos uma solução temporária, mas um sistema que pode ser desenvolvido e ampliado conforme as necessidades da secretaria”, explicou o secretário.

O acesso ao sistema já está disponível na página da Secretaria da Saúde. A partir desta quarta-feira (25), as consultas especializadas já poderão ser agendadas pelos municípios. No dia 1º de agosto, inicia-se o processo da regulação dos leitos.

Veja quais são os hospitais que integrarão o sistema na primeira etapa:

Hospitais gerais

Hospital Angelina Caron (Campina Grande do Sul)

Hospital Nossa Senhora do Rocio (Campo Largo)

Hospital e Maternidade Parolin (Campo Largo)

Hospital Infantil Waldemar Monastier (Campo Largo)

Hospitais psiquiátricos

Hospital Colônia Adauto Botelho (Piraquara)

Centro Psiquiátrico Metropolitano (Curitiba)

Apta – Associação de Pesquisa e Tratamento do Alcoolismo (Campo Largo)

Hospital de Neuropsiquiatria do Paraná – San Julian (Piraquara)

Clínica Médica HJ (União da Vitória)

Veja o mapa com os municípios incluídos nesta primeira etapa: http://www.sesa.pr.gov.br/arquivos/File/maparegionaisuniaodavitoria.pdf

25
jul

19 atletas paranaenses estarão nos jogos em Londres

O esporte paranaense está crescendo a cada dia e isso é notável. Na Olimpíadas de Londres, que começa daqui a uns dias, dos 259 representantes brasileiros, 19 são do Paraná e disputarão medalhas em 14 modalidades esportivas individuais e coletivas.

O Governo do Estado sempre incentivou o esporte no Paraná, mas do ano passado pra cá o estímulo a formação e o aperfeiçoamento de atletas por meio do programa Talento Olímpico Paranaense – TOP 2016, ganhou reforço. Com o foco nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, o programa investirá ainda este ano R$ 7,3 milhões para ofertar mil bolsas para atletas e técnicos de 27 modalidades olímpicas e 10 paraolímpicas do Estado.

Matéria completa da Agência de Notícias do Paraná

Delegação brasileira em Londres terá 19 atletas paranaenses

O Paraná tem 19 atletas entre os 259 que representarão o Brasil nos Jogos Olímpicos de Londres, que começam nesta semana. Eles disputarão medalhas em 14 modalidades esportivas, individuais e coletivas. Muitos, porém, treinam e vivem fora do Estado.

O secretário do Esporte, Evandro Rogério Roman, disse que o Paraná sempre revelou bons atletas, mas lamentou que o Estado nunca tenha investido para manter os talentos aqui. “Mas estamos trabalhando para mudar este quadro”, destaca ele.

Desde o ano passado, o governo estadual trabalha para estimular a formação e o aperfeiçoamento de atletas por meio do programa Talento Olímpico Paranaense – TOP 2016. Voltado para as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, o programa investirá este ano R$ 7,3 milhões para ofertar mil bolsas para atletas e técnicos de 27 modalidades olímpicas e 10 paraolímpicas do Estado.

“Temos hoje uma proposta de esporte de rendimento para o Estado, mas que começa no esporte escolar, passa pela fase juvenil até chegar no adulto. O programa vislumbra 2016, mas tem atletas beneficiados já disputando as Olimpíadas em Londres. Aos paranaenses que estarão nas olimpíadas, fica a nossa torcida e o desejo de bons resultados”, disse Roman.

ATLETAS

Os bolsistas do TOP 2016 estarão representados em Londres por Athos Schwantes, esgrimista curitibano nascido em 1985. Outros dois paranaenses disputarão medalhas no atletismo: Guilherme Cobbo, que é natural de Uraí, e compete no salto em altura; e a velocista Vanda Ferreira Gomes, nascida em Matelândia, que faz parte do quarteto brasileiro na prova de 4×100 metros.

A equipe brasileira de basquetebol feminino, que sonha reviver os bons tempos de Hortência e Paula, tem duas paranaenses: Franciele Aparecida do Nascimento, de Jacarezinho, e Nádia Gomes Colhado, nascida em Marialva.

Da pequena cidade de Tupãssi vem Gregorly Panizo, que vai disputar a prova de ciclismo de estrada. No futebol de campo, são quatro atletas paranaenses. No feminino, Andreia Suntaque, de Nova Cantu, e Renata Aparecida da Costa, que nasceu em Assai.

No futebol masculino, Alexandre Rodrigues da Silva, o Alexandre Pato, natural de Pato Branco, e Leandro Damião da Silva dos Santos, de Jardim Alegre.

A ginástica artística paranaense também terá uma representante. A selecionada é a curitibana Ethiene Franco.

No handebol, o Paraná estará representado por Mayara Fier de Moura, de Arapongas. Na natação, o curitibano Henrique Rodrigues disputa a prova dos 200 metros medley (quatro estilos).

Medalha de bronze em Pequim em 2008, a londrinense Natália Falavigna participa novamente de uma Olimpíada em busca de uma medalha no taekwondo, na categoria de atletas com mais de 67 quilos.

A vela – que está iniciando um grande projeto no Paraná com o Esporte Formador – terá o curitibano Bruno Fontes competindo na classe laser standard.

A seleção brasileira de voleibol masculino tem dois paranaenses: o londrinense Gilberto Amaury de Godoy Filho (Giba), que disputa sua quarta olimpíada e tenta ganhar a terceira medalha; e Sérgio Dutra dos Santos, de Diamante do Norte. O voleibol feminino também tem uma paranaense na seleção: Natália Zilio Pereira, que nasceu em Ponta Grossa.

Por fim, o curitibano Emanuel Fernando Scheffer Rego vai para a sua quinta olimpíada e, em dupla com Alisson, busca a terceira medalha no vôlei de praia. Emanuel ganhou ouro em Atenas e bronze em Pequim.

24
jul

Paraná gera mais de 89 mil empregos no primeiro semestre

Este ano, o Estado do Paraná foi um dos que mais gerou emprego no primeiro semestre, ele está em terceiro lugar. Até junho, foram criados mais de 89 mil empregos com carteira assinada e foi o melhor desempenho da região Sul do País, ficando atrás apenas de São Paulo, com 335.980 vagas, e Minas Gerais, com  179.074.

No primeiro semestre, foram abertas 61.867 vagas no interior e 27.254 na Região Metropolitana de Curitiba. Segundo dados divulgados nesta segunda, dia 23, a geração de empregos no Paraná representa um avanço de 3,56% no volume de contratação formal em relação ao estoque de dezembro de 2011, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

Matéria completa da Agência de Notícias do Paraná

89 mil empregos formais foram criados no Paraná no primeiro semestre do ano

O Paraná ocupa o terceiro lugar entre os estados que mais geraram empregos no primeiro semestre do ano. De janeiro a junho, foram criadas no Estado 89.121 vagas com carteira assinada. Foi o melhor desempenho da região Sul. Apenas São Paulo (com 335.980 vagas) e Minas Gerais (179.074) superaram o número do Paraná. Os dados divulgados nesta segunda-feira (23) mostram uma evolução de 3,56% no volume de empregos formais no Estado em relação ao estoque de dezembro do ano passado, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

Das vagas criadas no Paraná no primeiro semestre, 61.867 foram abertas no interior e 27.254 na Região Metropolitana de Curitiba. Em junho, foram criados 5.135 empregos, o que equivale a crescimento de 0,20% em relação ao estoque de assalariados com carteira assinada do mês anterior. Foi o melhor desempenho da região Sul. Santa Catarina criou 1.364 empregos, enquanto no Rio Grande do Sul foram eliminadas 825 vagas.

Os setores de atividade que mais geraram empregos em junho no Paraná foram Serviços (2.634 postos), Comércio (1.240 postos) e Indústria de Transformação (1.192 postos). Os municípios que mais criaram postos de trabalho foram São José dos Pinhais (629), Curitiba (392) e Foz do Iguaçu (287).

Para o secretário de Trabalho, Emprego e Economia Solidária, Luiz Claudio Romanelli, o crescimento do número de empregos no Paraná, no primeiro semestre, deve ser comemorado. “Nos últimos 12 meses, foram criados 112.877 postos de trabalho no Paraná, com aumento de 4,56% no nível de emprego. Em junho, a retração na geração de empregos já era esperada por conta da desaceleração da economia brasileira, mas, mesmo assim, criamos muito mais vagas que os estados do Sul”, afirmou Romanelli.

BRASIL

No primeiro semestre, em todo o País, foram gerados 1.047.914 novos empregos com carteira assinada, correspondendo a uma elevação de 2,76% sobre o estoque de dezembro de 2011. Os dados relativos aos últimos doze meses apontam um crescimento de 4,08% no nível de emprego, com acréscimo de 1.527.299 postos de trabalho. Em junho de 2012, foram gerados 120.440 postos de trabalho celetistas, equivalentes ao crescimento de 0,31% sobre o número de assalariados do mês anterior.

24
jul

Paraná registra 139 novos casos de gripe A na semana

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

Informe divulgado nesta segunda-feira (23) pela Secretaria da Saúde mostra que na última semana foram registrados no Paraná 139 novos casos de gripe A e duas mortes decorrentes da doença – ambas na Região Metropolitana e de pacientes com doenças pré-existentes. Os números são inferiores aos do boletim anterior, que registrava 172 novos casos e cinco mortes. Desde o início do ano, o Paraná registrou 899 casos confirmados e 25 mortes por gripe A.

“Apesar do aumento do número total, conseguimos visualizar um declínio no registro de casos novos de gripe A (H1N1). Mesmo assim, é preciso reforçar as estratégias adotadas – vacina dos grupos prioritários, oferta do medicamento oseltamivir e prevenção – para evitar principalmente as mortes pela doença”, afirma o superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz.

O período com maior número de novos casos de gripe A foi a semana de 24 a 30 de junho, quando ocorreram 328 confirmações. O boletim da semana passada mostrou aumento de 29% nos casos confirmados (de 588 para 760). Nesta semana, o aumento foi de 18% (de 760 para 899).

NOVAS DOSES

Na reunião da Comissão Estadual de Infectologia realizada nesta segunda-feira (23) ficou definida a ampliação da vacinação para crianças de 2 a 5 anos. “Vamos receber mais 400 mil doses na quinta-feira (26), e assim que as doses chegarem às unidades de saúde a vacina será estendida para este público-alvo, além dos grupos já priorizados”, destaca Sezifredo Paz.

Com a chegada das novas doses, o Estado terá cerca de 2,6 milhões de paranaenses imunizados contra a gripe neste ano. A vacina é a mesma oferecida durante a campanha de vacinação de maio e protege contra os três vírus influenza que mais circulam no país: Influenza A (H1N1), Influenza A (H3N2) e Influenza B.

GRIPE COMUM

A Secretaria da Saúde alerta também para a circulação do vírus Influenza A (H3), mais conhecida como gripe sazonal ou comum, que registrou aumento no número de registros. Somente neste ano, foram registrados 402 casos e seis mortes por este subtipo de gripe. “As estratégias adotadas previnem casos e mortes por todos os vírus influenza que circulam no País. Por isso, mesmo que os números da gripe A diminuam significativamente nas próximas semanas, as medidas de prevenção e tratamento devem continuar”, enfatiza a coordenadora da Sala de Situação da Gripe, Angela Maron de Mello.

VOLTA ÀS AULAS

A Secretaria Estadual da Saúde orienta que as atividades escolares podem ser desenvolvidas normalmente, sem necessidade de prolongamento das férias escolares. As escolas devem adotar medidas de prevenção, como manter os ambientes arejados, e orientar alunos e funcionários a lavar as mãos com água e sabão sempre que tossir ou espirrar e antes de comer, cozinhar ou tocar olhos, nariz e boca, utilizar o álcool gel, entre outros hábitos de higiene.

É imprescindível que o paciente com sintomas como febre acima de 38º, dor de garganta e tosse seca procure imediatamente o serviço de saúde. “Se o medicamento antiviral for prescrito em até 48 horas, a chance de resposta ao tratamento aumenta muito. Também não há registro de efeitos colaterais significativos. Portanto, qualquer paciente pode receber o medicamento”, reforça Angela.

Veja o informe completo no site www.saude.pr.gov.br, no banner sobre a gripe na coluna da direita.

23
jul

Começa a vacinação em crianças de 2 a 5 anos em Curitiba

Esta semana a começa a Secretaria Municipal da Saúde começa a vacinação nas crianças de 2 a 5 anos de idade. O objetivo é imunizar de 60 a 70 mil crianças que fazem parte do grupo de risco e deverão ser levadas pelos pais ou responsáveis até uma das unidades básicas de saúde.

Matéria completa da Gazeta do Povo

Crianças de 2 a 5 anos incompletos começam hoje a receber vacina contra a gripe

A estimativa é que haja na cidade entre 60 mil e 70 mil crianças nesta faixa etária, que deverão ser levadas às unidades básicas de saúde, no horário normal de funcionamento de cada uma

A partir desta segunda-feira, a Secretaria Municipal da Saúde vai começar a vacinar as crianças entre 2 anos e 5 anos incompletos (4 anos, 11 meses e 29 dias). A estimativa é que haja na cidade entre 60 mil e 70 mil crianças nesta faixa etária, que deverão ser levadas às unidades básicas de saúde, no horário normal de funcionamento de cada uma. Os endereços estão no site da Prefeitura de Curitiba.

A ação começará quatro dias antes da chegada das 65 mil doses que serão repassadas pela Secretaria Estadual da Saúde, como parte de um lote de 400 mil doses destinadas para o Paraná pelo Ministério da Saúde. A ampliação da oferta da vacina é decorrência da disponibilidade de doses, adquiridas e distribuídas pelo Ministério da Saúde.

Segundo a diretora do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde, a pediatra Karin Luhm, os bebês que estão completando 6 meses de idade também deverão ser vacinados neste período. A faixa entre 6 meses e 2 anos incompletos, ao lado das gestantes e dos idosos, foi considerada prioritária pelo Ministério da Saúde.

Os três segmentos somam em Curitiba 277.753 pessoas vacinadas, equivalente a uma cobertura média de 99,8%. Já foram imunizados 17.128 gestantes (91,9%), 38.817 bebês (104,1%) e 185.515 idosos (93,7%). Também já foram aplicadas 17.079 doses de reforço em bebês que não tomaram nenhuma dose no ano passado, para garantir a ativação do sistema imunológico.

A vacina é a mesma empregada na campanha de 2011 e protege contra três tipos de vírus causadores de gripe ou influenza. A dose leva cerca de 15 dias para fazer efeito.

20
jul

Mais 400 mil doses de vacina contra gripe serão distribuídas no Paraná

Com o aumento nos casos de gripe A no Paraná, o Estado irá receber mais 400 mil doses de vacina contra o vírus H1NI, segundo informação do superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz que esteve na reunião realizada no Ministério da Saúde nesta quinta, dia 19, para tratar sobre como os três Estados do Sul vão enfrentar os casos de gripe.

A vacina é a mesma oferecida durante a campanha de vacinação em maio e junho deste ano e será distribuída pela Secretaria Estadual de Saúde que irá orientar os municípios quais grupos deverão ser atendidos.

Matéria completa da Agência de Notícias do Paraná

Paraná vai receber mais 400 mil doses de vacina contra a gripe

O Paraná receberá mais 400 mil doses de vacina contra a gripe na próxima quinta-feira (26). A informação foi confirmada nesta quinta-feira (19), em Brasília, pelo superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz, durante reunião realizada pelo Ministério da Saúde, para o enfrentamento da gripe nos três estados do Sul.

A Secretaria Estadual de Saúde distribuirá equitativamente as doses aos municípios e orientará quais grupos deverão ser atendidos. “Vamos definir em conjunto com a Comissão Estadual de Infectologia os grupos que poderão ser contemplados com as novas doses”, explica o secretário da Saúde, Michele Caputo Neto. A reunião com a comissão será segunda-feira (23).

A vacina é a mesma oferecida durante a campanha de vacinação que ocorreu em maio e junho e protege contra os três vírus influenza que mais circulam no país: Influenza A (H1N1), Influenza A (H3N2) e Influenza B. A estimativa de proteção da vacina é de um ano.

Desde o início da campanha, o Paraná já recebeu mais de 2,2 milhões de doses para imunizar idosos, crianças de seis meses a dois anos, gestantes, trabalhadores de saúde, indígenas e outros grupos de risco definidos pela Secretaria da Saúde em consonância com os municípios.

ENFRENTAMENTO

Mesmo com a chegada das novas doses, a Secretaria reforça que a principal estratégia de enfrentamento é a oferta do antiviral oseltamivir (Tamiflu) para todos os pacientes com suspeita de síndrome gripal. O medicamento, se administrado em até 48 horas, pode evitar o agravamento do quadro clínico e a morte.

A Secretaria da Saúde disponibilizou mais de 150 mil tratamentos com o medicamento e possui quantia equivalente em estoque para continuar abastecendo as secretarias municipais de saúde e hospitais. “O medicamento é gratuito e o cidadão poderá ter acesso a ele com a receita médica”, explica o superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz.

Em 10 de julho, o Ministério da Saúde dispensou o uso de receita controlada para a administração do antiviral, validando a estratégia do Paraná de facilitar o acesso ao tratamento para todos os casos de gripe, mesmo sem a comprovação laboratorial.

Além disso, a população deve manter as medidas preventivas para evitar a gripe e outras doenças, como manter os ambientes arejados, lavar as mãos com água e sabão sempre que tossir ou espirrar e antes de comer, cozinhar ou tocar olhos, nariz e boca, utilizar o álcool gel para desinfetar as mãos, entre outros hábitos de higiene.

19
jul

Mais de 400 educadores sociais serão contratados no Paraná

Investir na educação é primordial e o Paraná sabe disso, tanto que agora mais 411 educadores sociais serão contratados para trabalhar no sistema de socioeducação do Estado, segundo anúncio feito nesta terça, dia 17, pela secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa.

Desde o ano passado, o governo estadual investe no reforço e na qualificação do trabalho e para este ano estão previstos mais de R$ 43 milhões, R$ 10 milhões já aplicados, para serem investidos na melhoria e construção de unidades de atendimento à adolescentes que precisam cumprir medida socioeducativa.

Matéria completa da Agência de Notícias do Paraná

Governo anuncia contratação de mais de 400 educadores sociais

A secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, anunciou nesta terça-feira (17), em Curitiba, a contratação de 411 novos educadores sociais para trabalhar no sistema de socioeducação do Estado. “São agentes transformadores que ajudam a construir um novo caminho”, disse a secretária. Também está prevista a ampliação da frota e inclusão de motoristas para o transporte e atendimento às unidades.

O anúncio foi feito durante reunião com diretores dos Centros de Socioeducação (Censes), coordenadores das Casas de Semiliberdade e representantes do Sindicato dos Servidores de Socioeducação do Estado (Sindsec).

Além de melhorias nos serviços e condições de trabalho, uma parceria com a Secretaria de Estado da Saúde prevê a atuação de enfermeiros e auxiliares de enfermagens no cuidado e atenção dos adolescentes atendidos pelos Censes.

INVESTIMENTOS

Desde 2011, o Governo do Estado investe no reforço e na qualificação do trabalho de socioeducação no Paraná. Estão previstos investimentos de mais de R$ 43 milhões – dos quais R$ 10 milhões já aplicados – na melhoria e construção de unidades destinadas ao atendimento de adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa.

O conjunto de medidas inclui ainda a contratação de servidores, a implantação de uma nova proposta sociopedagógica nos Censes e a qualificação e capacitação dos servidores. Os centros de socioeducação são unidades de educação e reinserção social para adolescentes em conflito com a lei. Atualmente, o Estado conta com 1,3 mil servidores nessas unidades.

Cerca de 80% dos profissionais atuam diretamente no atendimento de adolescentes em cumprimento de medidas e 20% fazem parte de equipes técnicas e de apoio.